Página 42 - Turcaça 33

Versão HTML básica

42
ARMAS
dos cartuchos.
O calço Inflex II permite um encare
deslizante – sem “pegar à roupa” ,
entenda-se- no momento de subir
a coronha ao ombro e apertá-la
contra a face da cara – e uma
redução do recuo na ordem dos
25% e de 50% (!) no levantar do
cano após o disparo, isto de acordo
com a Browning e graças a
pequenos elementos direccionais
que encaminham o recuo no sentido
oposto ao do nosso ombro.
A A5 faz-se também acompanhar
de anilhas para que o caçador ou
atirador possa, de forma simples e
rápida, adaptar a coronha à sua
f isionomia e forma de at irar.
Quanto à qualidade e nível de
acabamentos das madeiras, a
pe r f e i ção e be l eza são o
d e n om i n a d o r - c omum n a s
espingardas Browning.
Na versão base (carcaça negra) e
na versão mais luxuosa (carcaça
niquelada e com gravuras de caça)
as madeiras são de elevada
qual idade e os acabamentos
irrepreensíveis.
A Browning disponibiliza, ainda, três
versões sintéticas – uma em negro
e duas em padrões camuflados.
A visita à fábrica Browning de Viana de Castelo pecou tão-só por
ser escassa. O belga Marc Boland, num português quase perfeito,
ele que é o responsável pelo desenvolvimento de novos produtos
na grande oficina vianense, procurou, em passo acelerado,
mostrar-nos todo o processo produtivo.
Em termos de madeiras, a unidade minhota é responsável por
todo o processo de fabricação. A primeira etapa é mecanizada,
mas os detalhes, o polimento, o acabamento das madeiras –
coronhas e fustes – são manuais, daí os produtos Browning
serem irrepreensíveis na qualidade e acabamento das madeiras,
levando em conta que se trata de uma produção em massa.
Os canos procedem da fábrica de Herstal (FN), na Bélgica, e os
restantes componentes metálicos são também recebidos em
Viana do Castelo. Todos os elementos são controlados, sob
rigorosos padrões de qualidade.
Todas as armas e carabinas produzidas em Viana do Castelo –
a A5 é só mais um modelo – são testadas, em precisão e
funcionamento, antes de serem embaladas para comercialização.
O teste de tiro com a novíssima A5 teve lugar no Campo de Tiro
de Fervença, onde um fosso universal permitiu aos convidados
atirar a vários pratos e familiarizarem-se com alguns pormenores
da semi-automática, caso do carregamento – acesso do cartucho
do depósito à câmara, quando esta se encontra vazia, uma
característica das Browning -; da patilha de controlo de acesso
dos cartuchos do depósito, situada na parte inferior da carcaça
logo à frente do gatilho; do travão de segurança, etc.
Encare perfeito e intuitivo, embora o partir dos “cacos” tenha
mais a ver com a habilidade e a destreza de quem empunha a
arma. Contas de um outro rosário…
A.P.
Fábrica e teste de tiro
Coronhas e fustes a ganharem cor e brilho
Um dos elementos da equipa que testa as armas e carabinas