Página 46 - Turcaça 33

Versão HTML básica

CAÇA MAIOR
46
Tempo de montear…
Uma bonita cabeça no final da festa!
ara finalizar 2012 nada mais
apropr i ado , para um
discípulo de Diana, do que
festejar o acontecimento com uma
caçada que, neste caso, teve como
alvo o javali. Assim, com a ilusão
habitual, rumámos a Idanha-a-Nova,
onde seria servido o taco e se
situava o local de encontro para os
preliminares indispensáveis ao
sucesso de uma boa organização
monteira.
Essa difícil tarefa competia a alguns
exper ientes responsáveis da
associativa Fraldona, em cuja sede,
na albicastrense Monforte da Beira,
seria o almoço e também exposto
o quadro final, embora fôssemos
caçar à Urgeira, numa mancha com
cerca de 350 hectares.
O dia apresentava-se chuvoso, com
vento do quadrante sul, soprando
grandes nuvens escuras, inchadas
de água.
Com o usual cumprimento do
horár io, os 65 postos foram
rapidamente ocupados e as matilhas
lançadas no terreno. Apesar do
inconveniente dos guarda-chuvas
e dos impermeáveis, os monteiros
foram disparando certeiramente, em
r i tmo ca lmo , enquan t o os
matilheiros, evidenciando grande
sacr i f í c i o dev i do ao monte
encharcado, se esforçavam para
que o êxi to fosse completo.
Durante a recolha das armadas
ouviram-se muitos palpites sobre o
t o ta l de reses e t omámos
conhecimento de um episódio
caricato: um javali moribundo finou-
se junto à estrada alcatroada, o que
foi aproveitado pelos dois ocupantes
de um automóvel de passagem,
para, num ápice, o carregarem na
mala do carro e desaparecerem sob
o olhar incrédulo, longínquo e
impotente do caçador que o tinha
ferido!
Apesar do desgosto do monteiro,
dirigimo-nos para o almoço neste
ambiente galhofeiro e de grande
camaradagem que, depois, também
nos acompanhou na observação
dos trinta e oito javalis cobrados.
Encerrámos a época com uma
montaria mista em Figueiró dos
Vinhos.
Este encontro anual permite rever
bons amigos e participar numa
jornada venatória cujo principal
aliciante reside na possibilidade de
obter, porventura, um singular troféu
de veado, pois pisamos território
adjacente à Serra da Lousã.
A mancha foi armada com cerca de
80 caçadores e, logo de início, foram
avistados, a entrar num dos vales,
meia dúzia de veados com boas
armações. O ímpeto dos cães
l evan t ou ou t ros cer v í deos ,
facilitando deste modo a estratégia
dos javalis, bem escondidos nos
encames. A tensão aumentava com
o estralejar dos tiros, repartidos por
toda a área.
Entretanto, o tempo foi passando
bem mais depressa do que o
desejado, como o demonstrou o
rebentamento do inevitável foguete.
Quando chegámos para o almoço,
sempre variado e abundante, a
autoridade veterinária já esperava,
no recinto previsto, a chegada dos
animais caçados, dez no total,
Alguns dos 38 javalis da Urgeira
Um 12 pontas de Figueiró dos Vinhos