Página 20 - Turcaça 34 digital

Versão HTML básica

CAÇA MAIOR
20
ersistente e observador, o
jovem “ “
no st ress
” ” ,
alcunha adquirida nas
forças especiais e pela qual era
conhecido na int imidade, de
cócoras, anal isava o terreno
enlaçado na carabina, atento às
particularidades do trilho muito
batido por javalis e corços. Uns dias
antes, como sempre fazia desde
que a vida o permitisse, percorrera
a área para esclarecer as crenças
dos animais, que, na última lua,
recusaram o cevadouro. Reparou,
então, na lama recente que cobria
o tronco de algumas oliveiras numa
clareira atravessada pelo carreiro.
Para além dos vestígios de umas
pégadas de tamanho anormal no
solo macio, havia também, no tronco
de uma árvore, a marca de
navalhadas de um corpulento
ma c h o . I n t e n c i o n a l me n t e ,
arremessou duas mãos bem cheias
de amêndoas para o espaço limpo.
Se aquele fosse o percurso, talvez
a gulodice o entretivesse de maneira
a facilitar um tiro. Por tudo isto
resolveu aguardá-lo na passagem,
per to do carvalho da f raga,
esperançado em que a rota fosse
repetida.
O exame concluído ergueu-se, e, a
fim de contrariar uma ligeira aragem,
e n c am i n h o u - s e p a r a um
afloramento granítico, a cerca de
t r inta met ros da senda, no
prolongamento do rochedo contíguo
ao roble, para onde podia retirar se
a escuridão o cegasse. Embora a
mira fosse topo de gama, com uma
objectiva de cinquenta e seis
mi l ímet ros adequada para a
claridade mais ténue, não penetrava
o negrume da vegetação. Desatou
a puída manta que trazia a tiracolo,
colocou-a sobre a pedra ainda
quente do calor do sol e, como de
costume, depois de enf iar o
inseparável gorro com aberturas
pa r a os o l hos e o na r i z ,
si lenciosamente, deitou-se de
bruços, apoiando a arma carregada
sobre o bornal, a cobrir a zona.
Sentiu-se absolutamente integrado
no ambiente natural, cosido com a
maleza para melhor absorver as
palpitações da noite.
Apreciava a adrenal ina desta
colocação, exposta a contactos
muito próximos. Nos seus princípios
de caçador encartado, um javali
fantasma quase o abalroara. Foi um
grande susto para ambos, no chão
e ao mesmo nível, com roncos de
aflição e palavrões de espanto por
causa do insólito encontro. Durante
algum tempo agiu cautelosamente
e esquivou-se a situações similares.
Recorreu mais aos palanques ou
ao banco colocado em pontos
elevados. Mas pouco tempo
decorrido insistiu nos procedimentos
antigos, fazendo jus à irreverência
dos vinte anos.
Uma restolhada at rás de si
interrompeu estas divagações. Na
extremidade das silvas, junto a uns
carrasqueiros enfezados, uma
c o r ç a , c o n f u s a , a s p i r a v a
repetidamente a brisa. Porém, o
som inconfundível de cascas de
amêndoa a quebrar perturbou
aquela imobilidade de estátua e
afugentou-a. Quando olhou para a
clareira, na sumida contra-luz
r eco r t ava - se uma s i l hue t a
arredondada foçando a terra.
Levantou os binóculos e contemplou
um vulto rodeado de pequenotes
em brincadeiras furtivas. Havia
algum tempo desfrutara uma
aventura perigosa com uma família
congénere.
Nesse dia resolveu fazer uma
ap r ox imação noc t u r na . Do
esperadouro onde estava, próximo
de uma banha com alguma
humi dade , ouv i r a o r umo r
inconfundível de um corpo a
chafurdar na lamice. Pé ante pé
ap r ox imou - se do r ebo l i ço ,
Nas sombras do luar…
Aventuras de um caçador