Página 28 - Turcaça 34 digital

Versão HTML básica

28
CAÇA MENOR
sabíamos que havia um restolho
nas imediações de lameiros de
muita crença para as aves e
também água por perto. Um cenário
de eleição para a pequena
migradora africana, uma ave
fascinante para quem gosta e
aprecia tiros de elevado grau de
dificuldade. A tarde estava quente,
m a s a s r o l a s , e s s a s ,
movimentavam-se entre o restolho
e a frescura dos lameiros, pousando
aqui e ali, entre as sombras dos
freixos. Ocupavam, pois, os lugares
do costume e, uma semana depois,
estariam, seguramente, por ali, pois
o tempo estava quente e ainda não
tinham adquirido o bilhete para a
viagem de regresso a África. O
jantar de aniversário do filho mais
velho, que foi perdendo o vício de
me acompanhar quando começou
a crescer (…), fez-me perder o final
do dia em comunhão com o campo.
A madrugada do costume
Longe vão os anos em que a
adrenalina nos fazia perder o sono
na véspera da madrugada de
Agosto, a da abertura, agora
também desencontrada com o
habitual e tradicional dia 15. Malditos
políticos!
As festas da cidade (de Bragança,
entenda-se), mais concretamente
a Feira Medieval, a decorrer no
interior das muralhas, levaram-nos
até ao Castelo, também pelo facto
de um punhado de amigos ter
assentado lá arraiais para ganhar
uns tostões, vendendo pratos
tradicionais e petiscos da região. O
javali foi prato de excelência…
Umas tapas aconchegaram o
estômago e uns finos ajudaram a
lubrificar a garganta. Chegada a
hora, resolvemos regressar a casa
para esticar a ossada – o cadáver,
como d i z um ami go meu .
Descansámos o corpo, dormiram-
se duas/três horas antes de soar o
despertador. O obrigatório café
negro como as trevas, antes de
demandar Coelhoso, foi bebido
tranquilamente. Havia tempo de
sobra. A rotina estava em marcha.
Chegados ao local ainda de noite,
deparámos com os amigos Orlando
e Amílcar, dois peritos em matéria
de caça e com uma palavra a dizer
na jornada que tínhamos pela frente.
Breve troca de palavras para uma
perfeita colocação dos postos.
Chegava também gente amiga, para
caçar na zona vizinha, a de Parada.
Os dados estavam lançados
Os primeiros tiros não demoraram,
um abate aqui e outro ali, as bocas
e a animação do costume. As rolas
iam entrando e colocando à prova
as qualidades dos protagonistas.
Só nós, caçadores, sabemos quão
belos e intensos são estes
momentos . A manhã fo i -se
escoando, a um ritmo pouco intenso
mas agradável. O almoço, esse,
estava agendado e era oferta do
amigo Ricardo Cordeiro, um jovem
também emigrado em França, que
disponibilizou parte do javali cobrado
no início do luar de Agosto.
Assim, a caça tem, de facto, mais
encanto. Oxalá a confraternização
possa prosseguir no próximo
encontro monteiro. É que o Verão
já se foi e o Inverno vai vir