Página 17 - Turcaça 35 digital

Versão HTML básica

17
CAÇA MAIOR
organizadores, ou seja, a direcção
do Clube de Caça e Pesca de
Bragança, até aos anfitriões, os
responsáveis da Zona de Caça
Associativa de Edrosa, os quais
disponibi l izaram a mancha e
abriram, também, as portas da Casa
do Povo local, onde foram servidos
o mata-bicho e o almoço, refeições
que foram do agrado geral e
traduziram, de certa forma, a
dedicação e o empenho postos na
realização de mais este evento por
parte do emblema brigantino.
De resto, ou seja, à excepção dos
caprichos da caça, tudo correu às
mil maravilhas. O dia nasceu frio,
como era expectável, mas o sol
ajudou a aquecer corpos e almas.
O mata-bicho, cheio de miminhos
para agradar a quem se associou
à ini c iat i va, reconfor tou os
estômagos antes da romaria até à
mancha, cumprida dentro do horário
estipulado e sem grandes demoras
na colocação dos monteiros nas
respectivas portas.
As seis matilhas contratadas, essas,
também não demoraram a atacar a
mancha, mas cedo se percebeu,
face à ausência de ladras e de tiros,
que os cães eram poucos perante
a extensão da zona a montear e da
braveza do mato. Trás-os-Montes
na sua pureza.
Com o objectivo de levantar e abater
bichos, a montaria prolongou-se um
pouco mais do que estava previsto
– mais de três horas em acto de
caça -, mas nem as ladras finais
fizeram disparar a adrenalina. Os
poucos tiros escutados deixavam
antever um resul tado f raco.
As previsões confirmaram-se à
chegada ao local de partida, ou seja,
a Casa do Povo de Edrosa. Dois
jovens javalis eram o quinhão da
jornada.
Restava degustar o almoço,
preparado com todo o carinho por
um conjunto de senhoras que se
juntaram à iniciativa. Por sinal, um
prato t íp i co da reg i ão f r i a
transmontana – butelo com casúlas
(ou cascas).
O sorteio de uma carabina entre os
presentes animou o final de festa,
antes de cada um empreender a
viagem de regresso.
Para o ano, haverá mais.
Seguramente. O CCP de Bragança
tem gente teimosa ao leme e que
não deixará de porfiar. Aliás, e na
sabedoria popular e secular do povo,
quem porfia mata caça. Para bom
entendedor,…
A.P.