Página 28 - Turcaça 35 digital

Versão HTML básica

AO REMATE
28
C
omo disse não fui caçar e só
tenho informações de amigos e
companheiros que se arriscaram a
percorrer os nossos montes e vales
em busca da tão ambicionada caça
menor.
Perdizes bravas: menos que mais;
coelhos bravos: pouco ou nada;
lebres: assim-assim; aquáticas:
muito poucas; codornizes: onde?:
pombos: quase nunca.
Em várias regiões de Espanha já
se está a tentar fazer, mesmo a
nível governamental, controlo à caça
maior por franca diminuição de
efectivos não só por excesso de
abate mas também por motivo de
doença. Quanto à caça menor nem
se fala.
Desde que o acto venatório deixou
de ser um desporto para se tornar
num negócio de vaidades o
resultado está à vista. É pena não
se seguir o exemplo dos países do
Norte da Europa.
É evidente que a caça de “aviário”
continua a dar para enganar os
pseudo-caçadores e esvaziar as
suas cheias bolsas...!!!
Os terrenos vedados também
fornecem animais para “enfeitar”
paredes mas não é acto venatório
digno para quem se preze de ser
caçador.
E, depois, a crise desculpa tudo...
Junto fotografia de selectivos de
Junto fotografia de selectivos de corços que me parece
ser o tipo de caça mais acertada
que se deve fazer.