Página 30 - Turcaça 36 digital

Versão HTML básica

CAÇA MAIOR
30
regras monteiras e de acordo com
a excelente reputação arduamente
conquistada em real izações
anteriores. O quadro final muito bem
apresentado e composto por
algumas dezenas de javalis fazia
sob r essa i r um r espe i t áve l
navalheiro. As conversas entre os
diversos grupos, formados pelos 50
monteiros presentes, evidenciavam
a satisfação não só pelo amável
aco l h imen t o dos co r t eses
proprietários, mas também pelos
lances e as dezenas e dezenas de
tiros dados nesta agradável jornada.
Elogiavam-se as mat i lhas e
especialmente o capi tão da
montaria, o bem conhecido e
estimado António Pedro Rodrigues,
pelo trabalho esforçado e contínuo
até à chegada do último animal. No
dia seguinte, já em casa, uma
imagem persistente torturava-me:
a do javali que falhei limpamente
com a carabina apoiada na vara
sacramental, a 104 metros segundo
o medidor de distâncias, atirado
numa limpa em corrida acelerada
de um excepcional posto localizado
bem no meio da mancha…
Através do convívio virtual
proporcionado pelas mais recentes
tecnologias, for jam-se novos
conhecimentos e amizades que se
solidificam nos encontros onde se
pode confraternizar de viva voz e
participar, num ambiente único, em
acções de caça. Nascido num
desses fóruns (fora é o plural, mas
o termo é pouco conhecido)
venatórios, o denominado clube
português dos marteleiros congrega
um número cada vez maior de
membros que não se envergonham
dos falhanços que cometem,
acei tando com resignação e
encarando com alegria mais ou
menos fingida – pudera… - esses
raros momentos de felicidade para
os animais errados e para alguns
amigos que, à socapa, rindo a bom
rir, festejam o desaire. A primeira
assembleia desta associação
legalmente inexistente, mas com
cartões de associado emitidos, teve
lugar num local prenhe de tradição,
o Palácio do Vidigal, em Vendas
Novas, propriedade onde D. Carlos
I caçou amiúde. Quase 30
caçadores, alguns acompanhantes,
incluindo uma gentil caçadora e,
num toque de classe cosmopolita,
um simpático estrangeiro com
diversas nacionalidades, acorreram
ao rendez-vous decididos a cumprir
com os princípios intemporais que
regem a agremi ação…Num
voluntariado sem recurso que me
foi imposto, proferi algumas palavras
de circunstância, esmagado pela
honra concedida pelo úl t imo
falhanço! Quando chegámos à zona
a bater, algo distante do sítio da
concentração, separámo-nos e
todos pudemos ver, animados, o
solo de areão que nos rodeava todo
pateado por javalis. Apesar disso,
após prolongada estadia, um
demorado silêncio insistia em
propagar-se pelos vales e outeiros,
muito espaçadamente interrompido