Página 8 - Turcaça 36 digital

Versão HTML básica

08
NOTÍCIAS
A montaria de Rebordãos, Bragança, que teve
lugar em Fevereiro, no fim-de-semana que encerrou
a época, marcou o baptismo de dois monteiros, por
sinal amigos e companheiros, ambos com ligação
umbilical, em termos de caça, entenda-se, ao Clube
de Caça e Pesca de Bragança – José Pires e Carlos
Pires, este último mais conhecido por Alof.
Novatos na arte, mas ambos com javalis cobrados
no respectivo currículo, José Pires em montarias da
época, dando bom uso à Verney-Carron que adquiriu
na última feira de Bragança ao armeiro SHF/Sportrofa
group, o baptismo, esse, estava agendado para
Rebordãos, pelo facto de o grupo de amigos estar
presente e também graças às boas condições
logíst icas da aldeia, às portas da cidade.
Não faltaram “bichos”, pois a serra de Rebordãos é
por norma generosa, para dar um ar de imponência
ao acto e candidatos a padrinhos. Também as
senhoras (amigas) meteram mãos à obra, o que
proporcionou um final de montaria muito agradável.
Momentos, seguramente, para mais tarde recordar.
Após a montaria, em Rebordãos
Dois baptismos programados
A V Reunião de Ungulados
Silvestres Ibéricos (RUSI) terá
lugar, nos dias 12 e 13 de
S e t e m b r o p r ó x i m o , n a
Universidade de Cast i l la- la-
Mancha, concretamente no
Inst i tuto de Invest igação de
Recursos Cinegéticos, na cidade
espanhola de Ciudad Real .
A reunião se estrutura em três
planos ou três intervenções, se
preferirem, e uma sessão mais
abrangente, do tipo painel. As
comunicações estarão a cargo de
pessoas conv i dadas , que
int roduz i rão a temát i ca e,
posteriormente, o debate, para
compartilhar experiências e pontos
de vista.
As comunicações em agenda vão
inc idi r sobre as seguintes
temáticas:
- I mpa c t o e g e s t ã o d a
superabundância das populações
de ungulados
- Relevância da inspecção
sanitária para a gestão cinegética
- A gestão dos resíduos de caça:
gestão cinegética e conservação
A RUSI surgiu em 2010 com o
objectivo de criar um fórum (um
espaço ou ponto de encontro, se
preferirem) para a troca de
informação entre os diferentes
especialistas que trabalham em
ungulados ibéricos. Não se trata,
porém, de uma reunião anual
estritamente científica. Está aberta
a técnicos, gestores e a qualquer
p e s s o a i n t e r e s s a d a em
compartilhar as suas experiências
de trabalho com ungulados
silvestres.