Página 31 - Turcaça 37 digital

Versão HTML básica

31
CAÇA MAIOR
Fonseca, docente da Universidade
de Aveiro e com larga experiência
em ungu l ados , abo r dou a
“Reintrodução de espécies e seu
habitat”, trazendo até ao auditório
da esco l a t r ansmon tana a
reintrodução do corço em serras da
Região Centro, as serras da Lousã,
de Montemuro (parte situada ainda
na Região Norte) e da Arada,
designadamente, com o propósito
da biodiversidade e para defender
– proporcionar alimento, entenda-
se -, as alcateias aí existentes,
tornando, assim, mais fácil a sua
estadia e fixação na área.
Noutra dimensão di ferente, a
também bióloga Aurora Monzon,
espanhola e docente na UTAD
(Universidade de Trás-os-Montes e
Alto Douro), incidiu a sua palestra
sobre a “Biometria e marcação de
animais em cativeiro”, revelando
actuações e referências recentes
no cercado de corços da Serra de
Bornes, Macedo de Cavaleiros,
onde têm sido recolhidos com
frequência dados biométricos de
corços e ident i f icados alguns
animais.
Também Raul Fernandes, dirigente
da FACIRC (Federação das
Associações de Caçadores da 1ª
Região Cinegética), com sede em
Macedo de Cavaleiros, abordou o
tema do cercado de corços de Grijó-
Vilar do Monte (Serra de Bornes),
sobre o qual a sua Turcaça tem
t r az i do à es t ampa vá r i as
reportagens, sobretudo acções de
captura e identificação dos animais
aí existentes, uma área de 35
hectares, expl icando todo o
processo burocrático em seu redor
e, por fim, o pleno funcionamento
do “laboratório natural”, onde a
população se tem multiplicado, o
que vai permitir, a curto prazo, a
solta de animais na área de caça
contígua – ou até a cedência de
cervídeos a outras áreas – e, desse
modo, o início da caça àquela
espécie, de forma sustentada e pelo
método nobre, o da aproximação.
Filipe Silva, médico-veterinário e
docente na UTAD, e Susana Alves,
professora no IPB, por sua vez,
t r ouxe r am t emas como o
“Manuseamento e reabilitação”
(exemplos práticos de corços) e o
“Maneio reprodutivo em cativeiro”,
algo de extrema importância para
manter uma população saudável
numa área fechada, mais ou menos
extensa.
Soraia Cruz, do Badoca Safari Park,
e um oficial da GNR-SEPNA, de
Bragança, apresentaram, por último,
temas como a “Podologia em
gi rafas” e “Legislação sobre
transporte e detenção de animais
silvestres”.
A.P.
Professor Carlos Fonseca
Raul Fernandes