Página 35 - Turcaça 37 digital

Versão HTML básica

“algo diferente” também no que toca
a gené t i ca . Gene t i camen t e
diferentes, é verdade, de acordo
com a ciência, ainda que, em termos
de fenót ipo (caracter íst i cas
exteriores), as diferenças não sejam
visíveis…
No segundo painel, e após breve
pausa para café, os médicos
veter inár ios espanhóis Juan
Martinez Nistal e Luís Fidalgo
Álvarez, este último um amante da
caça ao corço pelo método da
a p r o x i ma ç ã o , a b o r d a r am ,
respectivamente, a “Gestão de
popu l a ç õe s de c o r ç o em
semicativeiro”, trazendo na sua
apresentação o exemplo do Centro
Cinegético de Valsemana, em León,
uma área vedada com 200 hectares
e que possibilita a “exportação”,
permitam-nos a expressão, de
sensivelmente 60 exemplares por
ano; e “A caça ao corço no Norte
de Espanha”, uma palestra lúcida,
esclarecida e cativante, alicerçada
em números, realidades e posições
bem de f i n i das ( supo r tadas
naturalmente por observações e
dados cient í f icos) , que nós,
portugueses, só temos de decalcar
(é o termo, pois há quem copie
mal…) para a nossa realidade.
Por último, Jorge Maia, engenheiro
florestal e funcionário da FENCAÇA,
mas presente na qualidade de
dirigente da Associação Nacional
do Co r ço , abo r dou , numa
perspectiva realista, o nosso (triste)
quadro, também emmatéria de caça
ao corço em Portugal, com forte
potencial acima do Norte do Douro,
face ao crescimento exponencial da
espécie, lembrando o caminho
percorrido (o ordenamento do
território) e o que há para desbravar,
também em termos de legislação,
a fim de se avançar, de forma
paulatina e sustentada, para a
exploração deste recurso natural
em termos de caça maior.
Só mais duas notas – as várias
críticas à actuação do ICNF (Instituto
da Conservação da Natureza e das
Florestas) caíram, aparentemente,
em saco roto, pois Rogér io
R o d r i g u e s , d i r e c t o r d o
Departamento de Conservação da
Natureza e Florestas do Norte,
deixou o auditório logo após a
a b e r t u r a d o s t r a b a l h o s
(estrategicamente?); a professora
Madalena Vieira-Pinto, médica
veterinária e docente na UTAD,
anunciou que a WAVES Portugal
promoverá, em Setembro (?), um
curso para guias de caça, limitado
a 12/15 candidatos, uma boa nova
para que a caça ao corço avance
com força em muitas zonas de caça
do Norte do país.
A.P.
35
CAÇA MAIOR