Página 46 - Turcaça 38 digital

Versão HTML básica

pós a conc l usão do
Campeonato de Portugal
e da Taça Federação,
f o r am apu r ado s o s
atiradores destinados a integrar a
equipa nacional com vista a
representar o nosso país no Mundial
da disciplina, a realizar em Bolonha,
Itália. Coube a honra de defender
as cores nacionais aos consagrados
atiradores João Dores (campeão
de Portugal) Ricardo André Vale
(vencedor da Taça Federação) e
Luís Monteiro (vice-campeão de
Por tugal e 2º na Taça) . O
Campeonato do Mundo, última
prova do calendário anual, tinha
como aliciante suplementar ser
prova obrigatória para os atiradores
interessados na pontuação da Taça
do Mundo. A Federação Portuguesa
entendeu, o que é de aplaudir,
patrocinar a presença de um atirador
júnior na comitiva da selecção,
tendo justamente caído a opção no
jovem Gonçalo Sá, campeão
nacional na respectiva categoria
que, justificando a sua escolha,
conquistou com todo o mérito o
terceiro lugar do pódio no Grand
Prix Fitasc de Itália, após renhido
desempate com um atirador italiano,
e a medalha de prata na Taça do
Mundo. Refira-se também que, na
mesma competição, Luís Monteiro
e Ricardo André Vale igualmente
t i veram um compor tamento
desportivo de elevado nível, ao
arrecadarem, respectivamente, a
medalha de ouro e a de bronze.
Aliás, um lamentável episódio foi
protagonizado pelo Luís ao
a p e r c e b e r - s e q u e a s u a
classificação, como o somatório dos
resultados indicava sem margem
de dúvida, quase lhe ia sendo
retirada para beneficiar um outro
atirador, neste caso italiano. Um
acontecimento lamentável que não
abona a conduta do presidente da
FITASC e que manchará de forma
permanente a sua actuação nesta
edi ção da Taça do Mundo.
De regresso ao Mundial, entre
oito selecções nacionais, temos a
destacar a medalha de bronze
conquistada pela nossa selecção
que se viu apenas ultrapassada,
com escassa diferença de pontos,
pela Argentina, 2ª classificada, e
48
TIRO DESPORTIVO
A
–
FAN 32
Pódio das Seleções Nacionais