Página 34 - Turcaça 39 digital

Versão HTML básica

CAÇA MAIOR
34
na respectiva porta e em acto de
caça.
Seguiu-se o tradicional mata-bicho
e, pouco depois, as primeiras
armadas rumavam à mancha. O
foguete rebentou às 11.30 horas.
Estavam abertas as hostilidades.
Algumas ladras e t i ros algo
espaçados no tempo.
Um final de manhã e início de tarde
de sol bonito, com o mercúrio do
termómetro a subir e a tornar a
estadia no monte agradável, apesar
da ausência de adrenalina. Uma
corça e um pequeno bácoro,
obviamente “bichos” apenas para
observar, foram os únicos visitantes
da minha porta e da vizinha.
Mesmo assim, mais de três horas
de montaria. Pelos tiros ouvidos, o
resultado não foi nada mau: 6
javalis, um deles macho-jovem, já
com umas “ nava l h i nhas ”…
Recolha dos monteiros e das reses
sem demoras. Pouco depois,
rumava-se a Mogadouro, para o
final de festa de um Encontro
Ve n a t ó r i o i n o l v i d á v e l e ,
convenhamos, difícil de superar.
Aceitam-se apostas…
A.P.
Montaria de Peredo de Bemposta/Ventozelo
Organização:
Clube de Monteiros do Norte
Director de montaria:
Francisco Guimarães
Mancha:
1 000 hectares
Matilhas:
9
Portas:
167
Tiros:
+ 300
Quadro de caça:
35 javalis
Montaria de Penas Roias/Vila de Ala
Organização:
Clube de Monteiros do Norte
Director de montaria:
António Fernandes
Mancha:
400 hectares
Matilhas:
9
Portas:
120
Tiros:
+/- 40
Quadro de caça:
6 javalis, um deles “navalhinhas”
Ficha das montarias
Fernando Teixeira foi homenageado
Durante o Serão Transmontano, foi prestada uma
singela homenagem à memória de Fernando Claro
Teixeira, recentemente falecido (em 13 de Dezembro)
vítima de doença prolongada.
Foi guardado um minuto de silêncio que comoveu
quem tive o privilégio de privar com um homem de
conduta exemplar.
Fez parte dos órgãos sociais do CM Norte e foi
distinguido com o prémio de Monteiro do Ano.
Fernando Teixeira com a esposa, Dª. Ester
Costinha – um exemplo de paixão
Outro momento que não deixou ninguém indiferente
foi a homenagem prestada ao mais recente sócio
do CMN, Luís Batista Costa, Costinha para os amigos,
caçador de tenra idade, que ficou invisual há cerca
de uma década.
Mas a sua paixão pela caça é tanta que continua a
madrugar para acompanhar os amigos nas montarias,
pelo prazer de “ouvir as ladras e os tiros”, revelou o
amigo Fredy Teixeira.
Um exemplo de que a paixão supera todas as
adversidades.