Página 7 - Turcaça 39 digital

Versão HTML básica

07
NOTÍCIAS
A secretaria da Agricultura e Ambiente dos Açores
anunciou, no início deste mês, a proibição da caça
ao coelho bravo nas ilhas das Flores e de São Jorge,
devido ao elevado número de animais que aparecem
mortos. Pelo mesmo motivo, a caça ao coelho bravo
já tinha sido encerrada na ilha Graciosa, em
Dezembro último.
A proibição da caça ao coelho bravo na ilha Graciosa
foi anunciada, pelo Governo regional açoriano, em
11 de Dezembro último, perante o indício da
ocorrência da Doença Hemorrágica Viral (DHV),
dado o elevado número de animais encontrados
mortos no campo.
A interdição da caça ao coelho bravo nas ilhas das
Flores e de São Jorge é, para os responsáveis
açorianos, “uma medida apropriada e que deve ser
tomada a nível preventivo, antes da confirmação da
doença”, acrescentando que a patologia “apesar de
muito contagiosa entre os coelhos (bravos e
domésticos), não é de modo algum transmissível
aos seres humanos ou a outras espécies animais.”
Enquanto se aguarda pelos resultados das análises
para apurar as causas da elevada mortandade de
coelhos bravos naquelas ilhas, a Direcção Regional
dos Recursos Florestais tem em curso iniciativas
destinadas a informar a população sobre os
comportamentos a adoptar, designadamente a
promoção de boas práticas para impedir a
disseminação do vírus, caso se confirme tratar-se
da DHV.
Em locais públicos, como portos e aeroportos, têm
sido colocados editais informativos, proibindo o
trânsito de coelhos e seus derivados para o restante
arquipélago.
Açores – coelhos bravos infectados com a DHV
Governo proíbe caça nas ilhas das Flores
e de São Jorge